:: Aula 02 - O pé e sua influência nas linhas Sen anteriores do corpo

por Diego Marquete

“Até as torres mais altas começam do chão.” (Provérbio Chinês)

 

Se a planta do pé influi nas linhas posteriores do corpo, a parte dorsal do pé irá interagir com as linhas anteriores do corpo, influenciando principalmente as flexões e anteroversões do mesmo. A flexão do tronco está correlacionada as linhas anteriores que em desequilibrio irão acentuar uma anteriorização dos ombros e da cabeça fazendo com que o peito se feche influenciando principalmente a respiração.

As linhas anteriores possuem relação de contrabalanço com as linhas posteriores mencionadas no texto 1 agindo com forças de tensão inversa. Na posterior as linhas Ittha e Pingkhla, que saem da parte acima do olho (supraorbital) e correm para as costas descendo pela lateral da coluna quando em equilíbrio devem ter energia suficiente para tracionar o corpo em extensão no sentido céfalo-caudal (cabeça para os pés), enquanto na anterior o sentido é de uma tração caudal-cefálico (dos pés para a cabeça). O enfraquecimento de uma destas linhas irá influenciar a outra e o corpo terá seu equilíbrio comprometido, seja postural, energético ou visceral.

Estes desequilíbrios podem ser provocados por enfraquecimento da linha ou estagnação da sua energia, uma obstrução percebida fisicamente muitas vezes nos encurtamentos e presença de nódulos.

As principais linhas anteriores do corpo Sumana, e as auxiliares Sahatsarangsi e Tawari podem ser analisadas desde um primeiro contato visual com o paciente, que quando observado de frente pode apresentar um lado diferente do outro ou uma postura torácica “arqueada”. A posição arqueada do tórax reflete muito sobre a linha Sumana. Sen Sumana é uma linha da ponta da língua até a região do umbigo, que quando trabalhada tem entre outros benefícios a diminuição de dores de cabeça, melhora da respiração e da qualidade do sono, três condições muitas vezes associadas entre si.

Atuar com foco em Sen Sumana irá diminuir a tensão dos músculos que se ligam ao esterno como o peitoral maior; às cartilagens costais como o subclávio e, às costelas como o peitoral menor, músculo assessório da respiração. A manipulação feita sobre esta linha diminui a restrição respiratória das costelas anteriores, dá abertura ao peito, corrigindo a anteriorização da cabeça e contribuindo assim para um melhor alinhamento entre o esterno e o osso zigomático.

Este alinhamento do esterno com o zigomático contribui diminuindo as tensões posteriores entre o occipital e a primeira vértebra cervical o que proporciona alívio em algumas dores de cabeça e face, além de descomprimir vias aéreas superiores, o quer irá influenciar na respiração e no ronco durante o sono.

Lateral à Sumana, as linhas Sahatsarangsi e Tawari podem ser traçados desde a cabeça por uma linha que vai do olho em direção as últimas costelas e dali passa para posterior contornando a crista ilíaca e descendo pela coxa sobre o vasto lateral para chegar ao tibial anterior e dali até o pé, cruzando sobre o pé na região distal dos metatarsos após contornar a banda lateral do pé. Sobe na face medial rente a tíbia e na coxa entre o reto femoral e vasto medial chegando finalmente ao umbigo, seu ponto de origem.  

A região do pé onde estas linhas cruzam de lateral para medial na reflexologia é relacionado ao peito e anatomicamente um dos pontos de inserção do tibial anterior, músculo da canela ligado a linha 1 dos membros inferiores na thai massagem e ao meridiano do estômago na medicina chinesa.

O tibial anterior quando trabalhado alivia dores na perna e no pé e devido a sua ligação miofascial com músculos da coxa como o quadrícpes, a manipulação deste músculo diminui as tensões na Espinha Anterosuperior e Anteroinferior do quadril que tracionam este osso a frente da linha média, acentuando a curvatura lordótica e produzindo assim dor lombar.

Trabalhar sobre a região de inserção do tibial anterior no pé pelas técnicas tailandesas diminui as forças que tracionam o quadril à frente e aumentam a lordose lombar e ao diminuir este padrão, relaxamos a musculatura do iliopsoas. Relaxando o iliopsas, afetamos diretamente a mecânica do músculo respiratório diafragma, que passa a trabalhar com maior amplitude e melhora a respiração. O corpo humano é um conjunto que funciona quando suas peças encontram-se em harmonia.

Partindo para a prática, a massagem do pé visando influenciar as linhas anteriores pode ser percebida na reflexologia tailandesa através de simples movimentos como rolamento nos maléolos, deslizamento do polegar em ponto ST41 (articulação talocrural), deslizamento com o polegar no tibial anterior (linha 1) e as quatro linhas do dorso do pé, que irão também atuar sobre a respiração por na reflexologia se relacionarem ao diafragma.

 

 

Texto da Aula 2 de 10 – do Curso: Reflexologia, pé e seus distúrbios.  Para acessar cursos e conteúdos acesse o site www.diegomarquete.com

Este texto é acompanhado de explicação em aula presencial e de vídeo-aula, disponibilizado em nosso site e rede social.

© 2011 -  DIEGO CARLOS MARQUETE - Todos os direitos reservados.
É permitida a reprodução de conteúdos deste site desde que seja citado a fonte e o autor.

SIGA-NOS:

  • YouTube
  • Instagram
  • w-facebook
  • Twitter Clean